Homem segurando chave do imóvel

É possível alugar um imóvel com o nome sujo? Entenda aqui!

Contratempos financeiros podem ocorrer com qualquer pessoa e ninguém está livre de ter o nome negativado, junto aos órgãos de proteção ao crédito, sendo impedido de adquirir qualquer tipo de crédito. Isso inclui o aluguel de um imóvel, que tem como premissa estar com o nome limpo.

Contudo, o que muita gente deseja saber é se, mesmo assim, há possibilidades de alugar com nome sujo. Trata-se de uma questão delicada, que dependerá da negociação com o proprietário do imóvel. Afinal, ele, certamente, exigirá garantias locatícias — ou seja, opções que o locador tem de se proteger contra uma possível inadimplência.

Diante disso, o mercado imobiliário utiliza muitas dessas garantias como uma forma de assegurar que as mensalidades sejam pagas. Exemplos disso são a caução, a fiança, o título de capitalização, entre outras, que vamos comentar neste conteúdo. Assim, o proprietário se sentirá mais seguro na transação.

Neste texto, vamos esclarecer o que são as garantias locatícias e como é possível alugar com nome sujo no setor imobiliário. Continue conosco e confira!

O que significa a expressão “nome sujo”?

Quando usamos o termo “nome sujo”, isso quer dizer que a pessoa deixou de pagar alguma conta ao seu credor — tornando seu CPF negativado e incluído nas listas de serviços de proteção ao crédito (SPC). Isso ocorre para proteger os comerciantes de maus pagadores. Assim sendo, quando uma pessoa com o nome negativado quiser realizar uma nova compra ou negócio, o comerciante consultará essas listas, ficando ciente da situação do cliente e podendo aceitar ou se recusar a negociar.

No entanto, para que um CPF seja incluído nas listas dos órgãos de proteção ao crédito, o consumidor é notificado por telefonema, SMS, carta ou e-mail. Diante disso, ele terá um prazo determinado, para que a dívida seja paga e o seu nome se mantenha limpo.

O que são e quais são as principais garantias locatícias?

As garantias locatícias são mecanismos criados para proteger o proprietário contra possíveis inadimplências. Esses mecanismos vão assegurar que, mesmo diante de reveses financeiros, o inquilino honre com suas obrigações. Ou seja, é uma forma de garantir ao proprietário o recebimento do aluguel. As principais garantias locatícias são: caução, fiança, seguro fiança e título de capitalização.

Confira, a seguir, como funciona cada uma delas!

Fiança

É a mais tradicional das garantias locatícias, tendo como principal vantagem ser mais rápida e sem qualquer custo. O locatário deverá apresentar um fiador, ou seja, uma pessoa que assumirá sua dívida no caso do não pagamento do aluguel. Diante disso, algumas exigências são feitas, em relação ao fiador, como:

  • ter um imóvel próprio em seu nome;
  • comprovar uma renda de, pelo menos, três vezes o valor do aluguel;
  • não ter o nome negativado junto aos órgãos de proteção ao crédito.

Após essa análise, o fiador assina, automaticamente, um contrato que será renovado após 30 meses. A principal vantagem dessa garantia é não ter que desembolsar nenhum valor por ela. A desvantagem, porém, é ter que buscar uma pessoa para assumir a responsabilidade — uma situação bastante constrangedora para algumas pessoas.

Seguro Fiança

Esse seguro é uma das excelentes opções para o proprietário, tendo em vista que, diante de uma inadimplência, ele terá a garantia do pagamento — a seguradora pagará a dívida, caso ela não seja paga no prazo estipulado em contrato. Diferentemente do que ocorre com a modalidade fiança, que necessita de um fiador, nesse sistema, o locatário deverá contratar uma apólice de seguro, que terá a validade de doze meses.

O contratante, porém, terá que renovar no final do período, para que o contrato não fique sem garantias. O valor a ser pago vai depender da análise de crédito feita pela seguradora. Apesar de o locatário contrair uma dívida com a instituição financeira, essa modalidade tem a grande vantagem de não precisar de ninguém para fechar o negócio.

Caução (depósito de três meses)

Trata-se de uma garantia também muito utilizada, que consiste em fazer um depósito de três parcelas do valor do aluguel, para que, em caso de não pagamento da dívida, essa quantia seja usada para quitá-la. Ao contrário do que ocorre com o seguro fiança, na caução, o valor depositado é devolvido, se ele não for utilizado até o fim do contrato.

Existe a alternativa de a caução poder ser feita por meio de bens imóveis ou móveis, como eletrodomésticos e veículos. No entanto, deverá ser registrado em Cartório de Títulos e Documentos. A vantagem dessa opção é não ter que desembolsar nenhum recurso para isso, apenas fazer o depósito, conforme combinado em contrato.

Título de capitalização

Essa modalidade é, na verdade, um investimento no qual o banco garante o pagamento do aluguel. O locatário deve comprar um título de capitalização, efetuando, a cada mês, o pagamento de uma taxa estipulada pela instituição financeira. Esse dinheiro ficará de posse do banco, sem que o locatário possa mexer, até o fim do contrato. A vantagem para o inquilino é que ele poderá sacar o valor com rendimentos — caso ele não tenha sido usado para pagar alguma parcela em atraso.

Alugar em nome de outra pessoa

Apesar de não se incluir entre as garantias locatícias, pode ser uma boa alternativa de negociar um aluguel, caso o interessado esteja com o nome negativado junto aos órgãos de proteção ao crédito. Dessa forma, se alguém da família puder arcar com o aluguel, poderá fazê-lo, sem qualquer problema — tendo que se comprometer com a dívida em seu próprio nome.

O que fazer em caso de nome sujo?

O ideal é que você tente negociar a sua dívida caso esteja com o nome sujo. Dessa forma, há a oportunidade não apenas de alugar um imóvel com mais facilidade, como também contribui para o seu planejamento financeiro pessoal.

Entenda: você terá dívidas reduzidas e terá mais possibilidades para construir um patrimônio, por exemplo. Qualquer compra ou solicitação de crédito feita nas instituições financeiras são feitas análises de crédito para identificar se você está apto ou não para adquirir aquele serviço.

Caso esteja com alguma restrição, dificilmente você terá direito a aumentar o crédito de seu cartão, a conseguir um financiamento para a compra de um bem ou até mesmo em crediários de lojas.

Como é possível limpar o nome para alugar um imóvel?

Porém, muitas pessoas têm dificuldades de entender como é possível limpar o nome. A seguir, a gente selecionou algumas das dicas.

Entenda o tamanho da sua dívida

O primeiro passo é entender o tamanho da sua dívida e analisar o orçamento mensal. Dessa forma, você terá uma compreensão mais precisa quando for tentar alguma negociação.

Afinal, de nada adianta estabelecer determinado valor de parcela se não houver a possibilidade de quitá-las ao longo dos meses, não é verdade? Isso só pioraria a situação, uma vez que a empresa novamente poderia encaminhar os seus dados para a restrição, além de dificultar uma nova negociação com o negócio.

Tenha um planejamento financeiro mensal

O planejamento financeiro mensal contribuirá não apenas para que você quite suas dívidas, como também será uma possibilidade de você realizar outros tipos de investimentos. Além disso, é uma chance de aumentar a qualidade de vida, justamente por ter a tranquilidade de que todas as dívidas estão sendo quitadas e que novas contas só são feitas depois de uma boa análise.

Para isso, existe a necessidade inicialmente de se organizar. Tenha uma planilha ou um aplicativo onde você consegue acompanhar todos os gastos. Dessa forma, entenderá para onde está indo o dinheiro e quais são aqueles custos que podem ser reduzidos (contribuindo inclusive para que você construa um patrimônio).

Defina metas ao longo dos meses e trabalhe constantemente com pontos de melhoria. Além de ter facilidade para alugar um imóvel, você terá mais liberdade para qualquer outro tipo de crédito que precisar do mercado.

Entre em contato com os credores

Depois que você fizer uma avaliação sobre a realidade financeira atual e quais são as suas possibilidades, entre em contato com os credores para realizar uma negociação que beneficie ambas as partes. Analise a proposta, o valor das prestações, as taxas de juros cobradas, entre outros pontos importantes para que possa limpar o nome de forma efetiva sem atrapalhar outros contextos de sua vida.

O que diz a lei?

De acordo a legislação vigente no Brasil, não há nada que impeça qualquer pessoa de alugar com nome sujo — ou seja, com o nome negativado junto aos órgãos de proteção ao crédito. Na verdade, o locatário e a imobiliária (que representa o proprietário) têm a liberdade de negociarem e realizarem o contrato em comum acordo, baseando-se no princípio jurídico da autonomia privada.

Portanto, analise quais são as opções disponíveis pela imobiliária que você entrou em contato, negocie como será o pagamento do aluguel e opte pela opção que melhor se encaixe na sua realidade.

Como você conferiu neste conteúdo, é possível alugar com nome sujo um imóvel, desde que a negociação com o proprietário seja feita de forma amigável e tranquila, e, principalmente, baseada em algumas das garantias que citamos neste conteúdo!

Para que você consiga realizar uma locação de maneira eficaz, não deixe de contar com uma empresa que ofereça um bom atendimento e explique todas as possibilidades. Por isso, conheça o portal Moving Imóveis, analise nossa cartela de produtos e converse com nossa equipe!

Fique por dentro do Mercado Imobiliário! Receba conteúdos gratuitamente.

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.
Ops! Captcha inválido, por favor verifique se o captcha está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.