BRMalls vai gastar R$ 500 milhões em compra de shoppings e revitalizações

São Paulo, 14/08/2017 – A BRMalls, líder do setor de shopping centers, com participação em 44 unidades no País, se prepara para investir R$ 500 milhões na revitalização de empreendimentos e na aquisição de novos ativos. Desse montante, R$ 350 milhões serão destinados para as compras, com desembolsos de acordo com as oportunidades do mercado. Já os outros R$ 150 milhões serão usados nas reformas, em um cronograma que prevê liberação de R$ 50 milhões por ano.

Essas iniciativas serão possíveis graças ao sucesso na oferta de ações realizada em maio, quando a companhia conseguiu captar R$ 1,7 bilhão junto a investidores mesmo em meio às turbulências políticas que perturbaram a economia brasileira, destacou o diretor financeiro e de relação com investidores, Frederico da Cunha Villa.

“A estratégia da oferta era de fortalecer o balanço, e hoje estamos com a estrutura de capital correta”, explicou Villa, em entrevista ao Broadcast. “Agora vamos dar sequência à nossa estratégia, com foco em shoppings dominantes”, completou.

Segundo o executivo, a BRMalls pretende ter no portfólio apenas empreendimentos bem localizados, que funcionem como referência para consumidores e lojistas. As aquisições serão feitas visando fatias majoritárias em ativos onde a companhia veja potencial para expandir o faturamento e a rentabilidade. “Temos estudado algumas opções de negócios, mas, por enquanto, nada de concreto”, disse.

Em relação às revitalizações, a BRMalls já iniciou alguns projetos arquitetônicos, que serão detalhados ao longo do semestre e terão sua execução e obras aceleradas no próximo ano.

Conforme já anunciado, a companhia ainda tem planos de desenvolver dois novos shoppings e expandir outros cinco que já estão em funcionamento. Juntos, esses projetos vão expandir a área bruta locável (ABL) própria em 10,4%. O investimento total será de R$ 671,6 milhões, dos quais 35,1% já foram desembolsados, 21% ocorrerão em 2018, e os 40,8% restantes a partir de 2019.

Entre os recursos oriundos do aumento de capital, a maior parte (R$ 1,2 bilhão) foi usada, em junho, para a amortização do bônus perpétuo adquirido em 2007. Como o título era uma dívida em dólar, gerava muitas oscilações no balanço da BRMalls, observou Villa.

“O bônus foi uma estratégia correta no passado, durante o crescimento da companhia, mas isso nos gera volatilidade em épocas de crise, em que o dólar dispara”, avaliou. Após a recompra do bônus, sobraram apenas duas dívidas em moeda estrangeira, mas protegidas por instrumentos de swap. “Não temos mais nenhum risco cambial em nosso balanço. Acredito que isso aumentará a atratividade da empresa”.

O balanço da BRMalls foi afetado no segundo trimestre justamente pela variação cambial. A empresa reportou prejuízo de R$ 217,15 milhões. Em parte, isso foi explicado por uma despesa financeira líquida de R$ 108,3 milhões, comparado a R$ 29,5 milhões no mesmo período do ano passado. Além disso, houve impacto de R$ 8,8 milhões com o plano de ações do ex-diretor presidente, Carlos Medeiros, que deixou a companhia no primeiro semestre. (Circe Bonatelli – circe.bonatelli@estadao.com)

Fonte: Broadcast

Fique por dentro do Mercado Imobiliário! Receba conteúdos gratuitamente.

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.