Construção sobe 1,6% em 2019 ante 2018, segundo IBGE

Com vendas saudáveis, Eztec prevê três novos empreendimentos neste trimestre

São Paulo, 15/05/2019 – Mesmo com o crescimento da economia brasileira em um ritmo abaixo do esperado neste ano, a Eztec acredita que a recuperação do mercado imobiliário não foi afetada e, portanto, a companhia manterá a trajetória de expansão dos lançamentos e vendas nos próximos meses. “A situação não preocupa. Ouvimos um ‘zum zum zum’ de queda nas visitas aos estandes, mas essa não é nossa realidade. As vendas continuam boas, não vemos arrefecimento”, afirmou o diretor de Relações com Investidores, Emílio Fugazza.

Ele ponderou, entretanto, que o planejamento da incorporadora poderá ser revisto futuramente caso não se aprovem as reformas macroeconômicas em discussão. “O PIB menos positivo do que o esperado ainda não bateu sobre o setor imobiliário. Mas se as reformas não acontecerem, vai se gerar um pessimismo generalizado, e isso poderá conter o ímpeto de quem pretende comprar imóveis”, ponderou.

 

A Eztec ainda não lançou novos projetos no segundo trimestre do ano, mas tem três empreendimentos previstos até o fim de junho. Ao todo, esses projetos devem somar entre R$ 355 milhões e R$ 425 milhões em valor geral de vendas (VGV). O primeiro dessa leva é um residencial de alto padrão em Moema, com VGV de R$ 230 milhões. Em seguida vem um residencial de médio-alto padrão na região de Perdizes, com VGV de R$ 65 milhões. Ambos estão confirmados, segundo antecipou Fugazza. O terceiro projeto a ser lançado ainda no segundo trimestre não está definido e pode ser um residencial na Vila Mascote, com VGV de R$ 60 milhões, ou em Osasco, com VGV de R$ 130 milhões.

 

A Eztec já lançou neste ano empreendimentos que totalizam R$ 396 milhões em valor geral de vendas. O montante corresponde a 26,4% do topo da meta da incorporadora para 2019, que vai de R$ 1 bilhão a R$ 1,5 bilhão. “Pretendemos lançar cerca de um quarto do topo da meta a cada trimestre, aproximadamente”, estimou. Ele disse que mantém a visão positiva para o mercado imobiliário e citou que os três empreendimentos já lançados no ano tiveram mais de 60% das unidades vendidas até aqui.

 

Fugazza contou também que tem visto um movimento ‘tímido’ de elevação do preço dos apartamentos do ano passado para cá. Essa alta tem acompanhado a inflação em estoques da Eztec na região metropolitana, mas já mostram crescimento real na ordem de 0,5 ponto porcentual em unidades lançadas mais recentemente em áreas nobres da capital paulista. “Em todo caso, quem comprou um imóvel novo em 2018 pagou menos do que quem está comprando hoje”, apontou.

 

O diretor disse que a companhia tende a ampliar os desembolsos devido à expansão dos canteiros de obras daqui em diante. Isso deverá provocar queima de caixa em 2019 e 2020, podendo voltar a haver geração de caixa em 2021, com o início do ciclo de entregas desses projetos. (Circe Bonatelli)

Fique por dentro do Mercado Imobiliário! Receba conteúdos gratuitamente.

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.