O que é e como funciona um leilão de imóveis?

O que é e como funciona um leilão de imóveis?

Não há quem não sonhe com a casa própria, não é mesmo? No entanto, muitas vezes, trata-se de um desafio, pois não é fácil encontrar o imóvel ideal, no bairro que você quer e, ainda, que caiba no seu bolso. Mas se você souber como funciona um leilão de imóveis, verá que esse sonho pode estar bem mais próximo do que imagina.

Neste artigo, você vai conhecer uma alternativa mais barata para adquirir a sua propriedade. O leilão de imóveis vem se tornando muito popular e pode ser a sua oportunidade para se livrar do aluguel.

Continue conosco e saiba como funciona um leilão de imóveis e por que fica mais fácil e barato de adquirir.

O que é leilão de imóveis?

O leilão é uma alternativa para se obter alguns bens, podendo ser um imóvel, um carro ou outro qualquer. No entanto, aqui, vamos falar de como funciona o leilão de imóveis, particularmente, e por que ele torna uma propriedade mais acessível.

A principal diferença para outras formas de se comprar uma propriedade é que a negociação por leilão não é feita entre as partes envolvidas. Não há aquele trâmite que envolve um comprador, um vendedor e a negociação para se chegar a um acordo que agrade a ambas as partes. Na maioria das vezes, é feita judicialmente e por meio de lances.

Na verdade, existem alguns tipos de leilão e o mais comum é o judicial, em que há um processo de alienação e será um juiz que homologará ou não a arrematação. Nesse processo, as pessoas interessadas em adquirir determinado imóvel dão seus lances, partindo de um valor mínimo. Vence quem fizer a melhor oferta.

Quem pode participar de um leilão de imóveis?

Qualquer pessoa física ou jurídica pode participar de um leilão, desde que seja maior de 18 anos e não esteja incluída no Artigo 690-A do Código de Processo Civil, como síndicos, liquidantes, tutores, entre outros.

Quais os tipos de leilão de imóveis?

Há dois tipos de leilão, o judicial e o extrajudicial. Em ambos os casos, existe a falta de pagamento de alguma dívida e, assim, os bens do devedor vão à penhora e são expropriados. Vamos saber quais as principais diferenças entre eles?

Judicial

O imóvel vai a leilão para que alguma dívida do proprietário seja quitada e cobrada em juízo. Origina-se sempre por intermédio de um processo judicial.

Extrajudicial

Pode ter várias origens, como particular, que pode envolver pessoa física, pessoa jurídica ou uma instituição bancária, ou a alienação fiduciária (substitui a hipoteca). O bem vai a leilão por falta de pagamento, que pode ser do financiamento bancário ou das parcelas de negociações feitas diretamente com a construtora.

Atualmente, existem mais facilidades, pois os leilões podem ser de forma presencial, realizado apenas via internet e mista, com lances presenciais e online.

O que fazer para ter sucesso em um leilão?

Os mais afoitos devem tomar alguns cuidados antes da arrematação. Confira:

  • informe-se sobre todo o processo: leia todas as informações disponibilizadas acerca de cada lote, como origem do item (se é por seguradora, banco ou empresa). Por meio do edital é possível se obter todos os dados importantes;
  • conheça o imóvel: é muito importante você saber o estado de conservação do imóvel (na maioria das vezes, é permitida a visita), pois essa questão desvaloriza muito uma propriedade;
  • tenha em mente a sua oferta máxima: para que você se beneficie com o negócio, estipule o valor máximo que poderá pagar e confira antes os preços dos imóveis do local, compatíveis com o que está sendo leiloado;
  • não se iluda pelo valor: antes do arremate, veja a situação do imóvel, como documentação, histórico, entre outros detalhes. Geralmente, os leiloeiros deixam essas informações disponíveis para o cliente por meio do edital e número de matrícula do lote.

Agora que você já sabe como funciona um leilão de imóveis, deve ter percebido que se trata de uma excelente alternativa para realização de um sonho. Mas lembre-se de que os cuidados devem ser grandes, como em qualquer outra negociação.

Gostou deste post? Compartilhe, então, nas suas redes sociais e divulgue essa alternativa mais barata de adquirir a casa própria.

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.