Construção cresce 2,0% no segundo trimestre, informa IBGE

Construção cresce 2,0% no segundo trimestre, informa IBGE

Rio, 29/08/2019 – A atividade da construção avançou 2,0% no segundo trimestre de 2019 ante o segundo trimestre de 2018. O resultado interrompeu uma sequência de 20 trimestres consecutivos de quedas. Os dados foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que anunciou hoje os resultados das Contas Nacionais Trimestrais.

A indústria da transformação cresceu 1,6% no período, enquanto as atividades imobiliárias tiveram expansão de 2,7%. O comércio teve elevação de 2,1% no segundo trimestre ante o segundo trimestre do ano passado. O segmento de informação e comunicação cresceu 3,0%, e as outras atividades de serviços subiram 1,6%.

Os transportes, armazenagem e correio avançaram 0,3% no segundo trimestre ante o mesmo período de 2018. A produção e distribuição de eletricidade, gás, água e esgoto cresceu 2,4%.  Por outro lado, as atividades financeiras tiveram uma queda de 0,3%, e o setor de administração, defesa e educação públicas encolheu 0,1%. As indústrias extrativas recuaram 9,4% no segundo trimestre.

Construção – O crescimento da construção no segundo trimestre do ano foi puxado pelo segmento de imóveis, e não pelo de infraestrutura, afirmou Rebeca Palis, coordenadora de Contas Nacionais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). “A parte de infraestrutura continua bem baixa. Não tem muito recurso público. Mas a parte de construção de imóveis ajudou um pouco. A alta é puxada não pela parte da infraestrutura, mas pela parte de imóveis”, explicou Rebeca.

Segundo Claudia Dionísio, gerente na Coordenação de Contas Nacionais do IBGE, a base de comparação baixa também ajuda a explicar o avanço na construção, assim como a melhora na confiança empresarial. A alta de 2,7% nas atividades imobiliárias ante o segundo trimestre de 2018 confirmam a construção puxada pelo setor imobiliário, apontou Claudia. “O crédito, a renda melhorando um pouco, o ambiente e o déficit habitacional que a gente sempre tem também colaboram (para a alta na construção)”, completou Rebeca Palis.

A construção responde por cerca de 50% da Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF, medida dos investimentos no PIB). A FBCF cresceu 3,2% na passagem do primeiro trimestre para o segundo trimestre de 2019. Na comparação com o segundo trimestre do ano passado a alta foi de 5,2%. “Todos os componentes favoreceram (a FBCF)”, disse Claudia, acrescentando que a construção é a que tem peso maior. A maior produção de bens de capital também impulsionou os investimentos no segundo trimestre, influenciando o crescimento registrado pela indústria da transformação no período. (Daniela Amorim, Mariana Durão e Vinicius Neder)

Fique por dentro do Mercado Imobiliário! Receba conteúdos gratuitamente.

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.