Eztec espera voltar a lançar empreendimentos no fim do 3º trimestre

Empresários do setor da construção estão otimistas para o segundo semestre

São Paulo, 24/06/2019 – O setor de construção está otimista com o segundo semestre. Empresários do segmento presentes no prêmio 26º Top Imobiliário, realizado pelo grupo O Estado de S. Paulo em parceria com o Sindicato da Habitação (Secovi) e com a consultoria imobiliária Embraesp, afirmaram que a aprovação da Reforma da Previdência deve ter peso importante nas expectativas e ajudarão a garantir desempenho positivo. Eles minimizaram ainda o impacto, sobre o setor, das mudanças que o governo quer fazer nas regras do Minha Casa Minha Vida.

Segundo os empresários, porém, mesmo com a aprovação da reforma da Previdência, uma recuperação só deve vir com o crescimento sustentável e a volta da geração de emprego e renda. “O segundo semestre deve trazer melhora porque a reforma tem tudo para ser aprovada”, disse Rodrigo Luna, presidente da Plano & Plano, vencedora do prêmio de melhor incorporadora. “Mas a retomada do emprego e da renda não vai ser do dia para a noite.” Para Paulo Curi, presidente da Cury Construtora, uma retomada significativa só deve ocorrer em 2020.

 

Francisco Mesquita, diretor-presidente do Grupo Estado, disse que as dificuldades existem, mas que o setor tem tido resiliência para enfrentá-las nos últimos anos. “O setor adotou em 2019, como palavra de ordem, o otimismo. Com cautela, é verdade, mas ainda assim com capacidade de enxergar que o momento é de arregaçar as mangas e trabalhar”, disse.

 

Presente no evento, o secretário de Habitação do Estado, Flávio Amary, afirmou que o governo estadual está priorizando as parcerias público-privadas e prometeu “criatividade” para trazer mais inovação e desburocratizar o setor produtivo.

 

Os empresários minimizam ainda as mudanças que o governo pretende fazer nas regras do MCMV – entre elas, a criação de parcerias público-privadas para empreendimentos e uma forma de pagamento similar a de leasing, transferindo o direito de propriedade ao usuário no final da operação. Isso porque as principais alterações devem ser feitas na Faixa 1 do programa, focada nas famílias de mais baixa renda, com subsídio de até 90% pelo governo. Para os empresários, as mudanças garantirão a continuidade do programa.

 

Gerente comercial da Tenda, que levou o primeiro lugar entre as construtoras, Eneias Santos diz que a empresa pode passar por um “freio de arrumação” com a mudança, mas o importante é que “o saneamento dos recursos públicos vai possibilitar o prolongamento do programa”.

 

Luna diz ainda que, apesar das dificuldades orçamentárias da União, há a percepção consolidada de que a manutenção do MCMV é importante para o País. “Sabemos que a manutenção do Minha Casa, Minha Vida é uma questão de desenvolvimento econômico”, disse. “Depois de 10 anos, porém, precisa de alguns ajustes e o governo tem tido o cuidado de consultar a sociedade e o setor.” (Bárbara Nascimento)

 

Fique por dentro do Mercado Imobiliário! Receba conteúdos gratuitamente.

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.