Plenário do senado aprova destaques e projeto de distrato retornará à câmara dos deputados

Logística dos bairros e tendências de mercado atraem novos prédios

São Paulo, 04/03/2018 – O lançamento de unidades residenciais verticais não está, necessariamente, ligado ao crescimento do número de habitantes por distrito. “Existem os que estão mais integrados à lógica do mercado imobiliário e que crescem influenciados pela dinâmica desse mercado, enquanto em outros, as construções de moradias são iniciativas de outra natureza”, diz o coordenador da Fundação Seade, Carlos Eugenio de Carvalho Ferreira.

Estas outras iniciativas englobam as construções de casas irregulares pelos moradores nas periferias e iniciativas do governo como o programa Minha Casa Minha Vida.

Para o professor de arquitetura e urbanismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie, Antônio Cláudio da Fonseca, o mercado valorizou ainda mais os preços das regiões centrais da cidade após importantes incorporadoras abrirem seu capital e entrarem na bolsa de valores. Na sua opinião, isso teria acelerado o movimento em direção à periferia da capital e a cidades da região metropolitana na busca por moradias mais baratas. “Os incorporadores compraram lotes em grandes quantidades nas áreas mais centrais e nobres da cidade. Resultado: inflacionaram o preço do terreno nas áreas urbanizadas da cidade”, afirma.

“A zona sul, por exemplo, teve grandes investimentos de transporte público, então aquela faixa do metrô que está aí pela Avenida Santo Amaro deve ter um adensamento bastante relevante nos próximos anos”, diz Fonseca.

Edgar Ueda, da Mondeluz, aponta distritos de outras regiões, como Anhanguera, que podem vir a crescer por causa dessa onda em busca de imóveis com preços mais baixos. “Anhanguera acaba atraindo o público das indústrias locais e regiões adjacentes. É um distrito ainda com baixa densidade demográfica e grande parcela da população reside na área rural, localizada nas proximidades da Rodovia Anhanguera.”

Ueda também destaca a Vila Leopoldina por conta do recente anúncio da intenção de criar um Polo Tecnológico na região. “Tais polos exigem mão de obra qualificada e com alta renda per capita, o que estimula e valoriza a região.”

Para Fonseca, São Paulo a tendência de as pessoas deixarem de morar no centro da cidade provoca a desertificação. Para combater esse efeito é que se tenta implementar a revitalização do centro. “É uma região que tem três milhões e 200 mil pessoas durante o dia por causa dos trabalhadores e apenas 600 mil durante a noite. Precisamos corrigir essa distorção porque a infraestrutura disponível de dia é a mesma à noite”, afirma.

O professor diz que para remediar isso é preciso que haja uma nova valorização do centro, com o fortalecimento dos eixos culturais e protagonismo da administração.

O economista-chefe do Secovi, Celso Petrucci, lembra que já há uma onda de investimentos nessa região da cidade. “Nós já percebemos o movimentos nos últimos anos de levar imóveis residenciais para o centro expandido”, diz.

Todos os especialistas consultados dizem que como a economia vai se portar no futuro é determinante para investimentos imobiliários, independente da projeção de população em diferentes áreas da cidade. “Antever como vai haver o crescimento de um bairro depende da capacidade de investimento disponível”, diz Renato Genioli, coordenador do Sinduscon-SP.  (Luiz Fernando Teixeira / ESPECIAL PARA O ESTADO)

Fique por dentro do Mercado Imobiliário! Receba conteúdos gratuitamente.

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.