MITRE ESTREIA NA B3 E FAZ PRIMEIRA ABERTURA DE CAPITAL DE INCORPORADORA EM 10 ANOS

MITRE ESTREIA NA B3 E FAZ PRIMEIRA ABERTURA DE CAPITAL DE INCORPORADORA EM 10 ANOS

São Paulo, 05/02/2020 – Com foco na classe média alta em São Paulo, a construtora Mitre Realty fez sua estreia hoje na B3, depois de realizar uma oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês), a primeira abertura de capital de 2020 na bolsa brasileira, em um ano que promete ser de muitas novatas, diante do cenário de juros baixos, que tem atraído os investidores para o mercado de renda variável.

A oferta movimentou R$ 1,18 bilhão, sendo quase R$ 1 bilhão foi para o caixa da empresa, dinheiro a ser utilizado em sua estratégia de crescimento. Para este ano, a Mitre planeja 10 lançamentos, todos em São Paulo, com estreias em alguns bairros nobres da cidade.

A Mitre registrou elevada demanda de sua oferta entre investidores, superando em diversas vezes o volume ofertado. A ação foi precificada, assim, no teto da faixa indicativa de preço, em R$ 19,30. Os investidores locais e estrangeiros dividiram, praticamente, o volume de ações vendido.

A cerimônia na B3 ocorreu no edifício da Bolsa na Praça Antônio Prado e não no espaço Magliano Filho, na XV de Novembro, que está em reforma. Os discursos e toque de sino foram transmitidos ao vivo para funcionários da Mitre, em sua sede na Alameda Santos, região da avenida Paulista, em São Paulo.

“Estamos há dez anos sem um IPO de uma incorporadora no Brasil. A partir de agora temos mais responsabilidade, muitos acionistas e vamos tratar isso com responsabilidade, para dar retorno. Com certeza, vamos fazer uma história muito bonita”, disse, na cerimônia de lançamento da companhia na B3 o presidente da Mitre, Fabrício Mitre. A última empresa do setor a abrir capital na bolsa brasileira foi a Direcional, em 2009.

“Esse é um momento especial para a companhia. A empresa hoje é de capital aberto da B3 e isso assegura a perenidade do negócio e oficializa a profissionalização da companhia”, completou.

Resultados financeiros

Nos primeiros nove meses do ano passado, a Mitre apresentou uma receita líquida de R$ 189,757 milhões, alta de 65% na comparação anual, e um Ebitda ajustado de R$ 39,7 milhões, aumento de 96%. “Nossos projetos são destinados ao público de média e média alta renda em todas as regiões da cidade de São Paulo, com foco naquelas com maior potencial de crescimento, alta demanda e menor competição”, segundo o próprio prospecto da oferta.

O vice-presidente de produtos e clientes da B3, Juca Andrade, destacou que neste ano os IPOs na Bolsa brasileira devem ganhar mais espaço no mercado, depois de 2019 a B3 ter sido palco de 37 ofertas subsequentes (follow ons).

“Esse ano promete”, destacou o executivo. Ele frisou que o fato de haver muitos follow ons é algo muito positivo, pois significa que as companhias já listadas seguem utilizando o mercado de capitais para se financiarem.

Amanhã estreia outra empresa na B3, a companhia de hospedagem de sites, Locaweb, que precificou ontem seu IPO, que movimentou R$1,18 bilhão. Na próxima semana será a vez de outra empresa do setor de construção precificar seu IPO, a pernambucana Moura Dubeux.

Contato: fernanda.guimaraes@estadao.com

Fique por dentro do Mercado Imobiliário! Receba conteúdos gratuitamente.

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.