Quando comprar um imóvel: 6 dicas para escolher o momento certo

Quando comprar um imóvel: 6 dicas para escolher o momento certo

Os motivos que nos levam a adquirir uma moradia podem ser inúmeros. Alguns querem casar, outros desejam conquistar a independência e há, ainda, aqueles que veem nessa aquisição uma forma rentável de investimento. Independentemente da razão, existe um questionamento comum a todos: quando comprar um imóvel?

Saber o período correto para obter esse patrimônio é um assunto sério, que pode influenciar sua vida. Mas fique tranquilo, pois separamos 6 dicas que vão ajudar você a perceber o timing certo para esse projeto. Vamos lá?

Como saber quando comprar um imóvel?

Grande parte das pessoas tem o costume de definir um aspecto determinante para o momento certo de adquirir um imóvel. Idade, chegada de um filho e começo de período na faculdade são alguns dos exemplos.

No entanto, tal forma de pensar é equivocada. Afinal, há outras questões mais importantes envolvidas — e, se não foram analisadas, em nenhum período da vida será possível realizar o sonho de ter a casa própria. Vejamos, a seguir, o que realmente define quando comprar um imóvel.

1. Pesquise sobre a economia do país

Em primeiro lugar, vem a necessidade de entender o comportamento da economia nacional. O motivo é simples: esse aspecto pode impedir a conclusão dos próximos passos. Um exemplo aconteceu há pouco tempo, quando o mercado imobiliário brasileiro foi afetado por uma forte crise financeira.

Houve um aquecimento do setor entre os anos de 2010 e 2013, que foi seguido por uma queda brusca dessa prosperidade. O resultado foi a elevação dos juros do financiamento, a desvalorização das moradias, o encalhamento e a paralisação dos lançamentos imobiliários.

Como era de se esperar, quem desejava comprar um imóvel desistiu desse sonho. Mas, em 2016, a economia nacional mostrou sinais de recuperação, o que resultou no retorno das compras de moradias.

A que conclusão é possível chegar? É melhor adquirir um imóvel quando a economia está indo bem ou mal? A resposta é: depende muito. A pessoa que tinha uma boa reserva financeira para comprar uma moradia à vista na época da crise se deu bem, afinal os preços dos imóveis estavam baixíssimos.

Já para quem precisava encarar um financiamento, a melhor alternativa era esperar o “fantasma da crise” passar e, com juros menores, comprar sua residência. Sendo assim, pesquise bem sobre a economia do país para saber se o momento é favorável ou não.

2. Reflita sobre sua estabilidade profissional

Alguns conseguem usufruir da estabilidade no emprego por um período ou durante toda a vida profissional. Entretanto, essa não é a realidade de muitos cidadãos de nosso país — que, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), chegou ao número de 12,7 milhões de desempregados.

Caso você não faça parte desse grupo e entenda que não há motivos para ingressar nele, essa é a hora de comprar um imóvel. Mas por que a estabilidade é tão importante? Pense nas muitas prestações que pagará no decorrer dos anos, com o financiamento do imóvel: o que aconteceria se perdesse o trabalho nesse período?

Contudo, mesmo tendo uma segurança financeira, é sensato reservar um valor antes de fechar negócio. Esse recurso pode ser emergencial, ou seja, para cobrir a quantia restante das mensalidades do financiamento em caso de necessidade.

3. Analise seu orçamento

Trace um panorama da sua vida financeira. Nesse processo, faça uma planilha com suas receitas, seus gastos e suas dívidas. Então, tente entender o quanto do seu salário é consumido por mês e se há a possibilidade de comprometer alguma parte dele com a compra de um imóvel. Caso seu orçamento esteja todo comprometido, saiba que não é o momento de adquirir uma moradia.

Mas o que fazer para organizar a vida financeira e conquistar uma casa, então? Siga a antiga receita de cortar gastos desnecessários, quitar as dívidas e reservar pelo menos 30% do seu salário em uma poupança ou injetá-lo em algum investimento rentável. Com o tempo, você poderá até comprar o imóvel à vista.

4. Poupe para a entrada do imóvel

Ter uma quantia para dar de entrada é uma excelente estratégia para consolidar o sonho de comprar um imóvel. Mas quanto é preciso reservar? Esse valor varia de acordo com a renda familiar, porém gira em torno de 30% do preço do imóvel. No entanto, há alguns programas de financiamento do governo que exigem apenas 10%.

Sendo assim, se você está de olho em uma propriedade de 500 mil reais, a entrada custará 150 mil. Parece muito, não é? Mas lembre-se: o segredo é organizar as finanças e separar uma quantia todo mês.

5. Use o saldo do FGTS

Quem trabalha com a carteira assinada tem outro recurso que facilita a compra da moradia. Trata-se do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), cujo saldo pode ser usado em três situações:

  • pagamento de parte ou do valor total da compra (ou construção) do imóvel;
  • amortização ou liquidação de um saldo devedor;
  • quitação de parte das prestações do financiamento.

Porém, é preciso preencher alguns requisitos para poder usufruir desse fundo. Veja quais são:

  • contar com três anos de carteira assinada sob o regime da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT);
  • não ter outro financiamento ativo no Sistema Financeiro de Habitação (SFH);
  • não ser proprietário de um imóvel residencial na cidade em que reside ou trabalha;
  • não ter usado o FGTS para um financiamento nos últimos 3 anos.

Caso o caminho esteja livre para aproveitar essa garantia trabalhista, é o momento certo para comprar sua moradia.

6. Entenda suas necessidades

Por fim, outro fator que mostrará quando comprar um imóvel é sua necessidade (e, se tiver família, a dela também). Talvez você queira se casar em breve — um lar próprio, nesse caso, é um dos seus objetivos. Também é possível que um bebê esteja a caminho e você precise de uma moradia com, pelo menos, dois quartos.

Você pode, ainda, ter o desejo imediato de sair do aluguel, usando esse valor para investir em um futuro imóvel. Reconhecer tais sinais é fundamental não só para dar início ao processo de compra, mas para entender o tipo de moradia que vai suprir suas necessidades.

Seguindo as sugestões de nosso artigo, você identificará o tempo certo para realizar esse grande sonho. Um último conselho: não espere que todas as condições estejam perfeitamente favoráveis, pois isso não é realista, combinado?

O que achou deste conteúdo? Ajudamos você a entender quando comprar um imóvel? Que bom! Mas não queremos que o nosso relacionamento acabe por aqui — estamos ansiosos para conhecê-lo melhor. Entre em contato conosco!

Fique por dentro do Mercado Imobiliário! Receba conteúdos gratuitamente.

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

1 Comentário

  1. Otimo artigo 10 muito bom , esclarecedor paranbes a todos.
    Grande abraço.
    ivair- corretor de imoveis na cidade de Medianeira Pr.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.