Entenda de uma vez por todas como funciona o refinanciamento do imóvel

Entenda de uma vez por todas como funciona o refinanciamento do imóvel

Recentemente, um artigo do site Agência Brasil mostrou que o percentual de famílias brasileiras com dívidas chegou a 66,6%, um recorde anual. Nesse sentido, o refinanciamento do imóvel é uma boa estratégia para pessoas que precisam de crédito para atingir algum objetivo material.

Isso se aplica em especial neste período de crise econômica, no qual o mundo atravessa uma recessão, e conseguir capital de instituições financeiras é um grande desafio.

Mas como funciona o refinanciamento do imóvel? O que fazer para conseguir esse tipo de crédito? Quais são as vantagens dele? Neste artigo, abordaremos essas questões. Acompanhe os próximos tópicos!

O que é o refinanciamento do imóvel?

O refinanciamento do imóvel, também conhecido como home equity, é uma modalidade de empréstimo no qual uma residência é usada como garantia. Para isso, o imóvel pode estar quitado ou não. No primeiro caso, o bem não pode ter nenhuma dívida e o valor mínimo do crédito varia em torno de 20 mil reais.

Por outro lado, o processo é um pouco diferente quando a moradia ainda está em financiamento. Funciona assim: a instituição financeira analisa o saldo devedor, que é o valor total que resta para quitar as parcelas. Serão incluídos nessa conta os descontos de juros e multas.

Ainda durante essa análise, leva-se em consideração também, é claro, o valor solicitado. Caso o dinheiro liberado seja maior do que o saldo devedor, o imóvel será pago. O refinanciamento acontece mediando o restante do valor disponibilizado e a moradia passa a ser a garantia para o pagamento dessa dívida. Essa modalidade de caução é chamada de alienação fiduciária.

Para você entender melhor o refinanciamento do imóvel, imagine um comprador que tenha adquirido um apartamento de 250 mil reais. Após dar uma boa entrada e pagar várias prestações, ele precisa de um crédito de 50 mil reais. Visando ao refinanciamento, ele verifica com outra instituição o valor do saldo devedor do financiamento e descobre que é 125 mil reais.

Depois de uma análise, a instituição decide que pode liberar 175 mil para o interessado. Com esse dinheiro, ele quita o financiamento do apartamento, recebe o crédito e seu imóvel funciona como garantia. Sendo assim, o interessado continua morando em seu apartamento, agora pago, e continuará assim, desde que cumpra com as obrigações do contrato.

Como realizar esse processo?

No processo de refinanciamento de um imóvel, algumas etapas precisam ser cumpridas. Se desejar, o interessado pode fazer simulações do valor do empréstimo e das parcelas por meio do site de algumas instituições financeiras. Desse modo, é possível consultar se existe a possibilidade ou não de adquirir esse tipo de crédito.

Caso o sinal esteja “verde”, o próximo passo é contratar uma empresa especializada em refinanciamentos de moradias, que vai direcionar todo o processo. Para dar esse suporte, ela deve solicitar alguns documentos, como:

  • documento de identificação (RG);
  • Cadastro de Pessoa Física (CPF);
  • comprovante de renda (holerite, declaração do imposto de renda etc.) dos últimos três meses;
  • comprovante de residência;
  • matrícula atualizada do imóvel;
  • certidão cadastral do Imposto Territorial Urbano (IPTU);
  • Habite-se;
  • certidão negativa de tributos municipais;
  • certidão negativa de ônus reais;
  • para os casados, RG e CPF do cônjuge, além da certidão de casamento.

Em seguida, acontece a apuração dos documentos e das informações do interessado, além de uma vistoria feita no imóvel por profissionais da instituição. Caso todos os requisitos sejam atendidos, o refinanciamento é aprovado.

Quais são as vantagens de refinanciar uma moradia?

Uma dúvida comum é: qual é a vantagem de refinanciar um imóvel? Bem, vamos falar sobre os principais benefícios. Um deles é a taxa de juros mais baixa do que em outros tipos de crédito. O motivo para isso é a garantia oferecida — o imóvel — que apresenta uma segurança maior para a instituição financeira em relação a outras formas de caução, como o fiador e o seguro-garantia.

Além disso, a correção de juros é atrelada ao Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) que mensura a inflação oficial do Brasil. Isso é bem diferente das várias correções sofridas no crédito consignado, no cartão de crédito e no financiamento. Outra vantagem é o prazo de pagamento, que pode chegar a 240 meses.

Desse modo, o valor total da dívida é diluído em um período maior. O resultado é uma dificuldade menor em pagar as prestações, além de contribuir para que o interessado não fique descapitalizado para cumprir com outras obrigações financeiras.

Quando optar pelo refinanciamento?

O refinanciamento do imóvel é uma opção perfeita para quem deseja:

  • quitar dívidas;
  • levantar capital para uma obra no imóvel;
  • obter uma reserva financeira para momentos de emergência;
  • investir em um segundo imóvel, seja para morar, seja para alugar;
  • fazer uma viagem;
  • abrir um novo empreendimento.

No entanto, o fator tempo é o que mais pesa na decisão de escolher ou não o refinanciamento. Como assim? Perceba que todas as situações que citamos não envolvem uma necessidade urgente de capital. Afinal, visto que esse tipo de crédito envolve um processo mais demorado, uma urgência financeira não se encaixa nele.

Como vimos, até que saia a aprovação, é necessária a intervenção de uma empresa que avaliará o financiamento feito entre o interessado e a instituição que concedeu o empréstimo. Então, inicia-se um exame detalhado para entender se o imóvel está apto ou não para um refinanciamento.

Sendo assim, os que precisam de dinheiro com rapidez, devem considerar opções de crédito que tenham um processo de aprovação menos meticuloso. Tirando esse aspecto, o refinanciamento é considerado uma estratégia inteligente para pagar o imóvel financiado e ainda obter um capital emprestado.

Enfim, para ter sucesso no pedido de qualquer tipo de crédito, o ideal é estudar com cuidado as possibilidades, avaliar a renda pessoal e colocar na ponta do lápis todos os encargos, juros e taxas. Além disso, as simulações são essenciais. Dessa forma, as chances de unir o sucesso e a tranquilidade são enormes.

O que achou de nosso artigo? Conseguimos ajudar você a entender como funciona o refinanciamento do imóvel? Está pensando em comprar uma moradia? Então conheças as nossas dicas para conseguir a aprovação do financiamento imobiliário!

Fique por dentro do Mercado Imobiliário! Receba conteúdos gratuitamente.

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.