Mercado de edifícios corporativos paulistano vê desocupação cair e aluguel aumentar

Tecnisa reorganiza operações e pretende lançar empreendimentos de R$ 1 bilhão a cada ano

São Paulo, 09/08/209 – A Tecnisa tem potencial para lançar empreendimentos com valor geral de vendas (VGV) avaliado em R$ 1 bilhão por ano, a partir de 2020, embora essa não seja uma meta formal. “A nossa estrutura está preparada para isso”, comentou o diretor presidente da empresa, Joseph Meyer Nigri, durante teleconferência com investidores e analistas.

A companhia passou vários trimestres amargando prejuízos e sem lançar novos projetos. Em situação financeira difícil, ela realizou um aumento de capital junto a investidores e agora retomou liquidez suficiente para pagar suas dívidas e voltar a desenvolver novos empreendimentos imobiliários.

Segundo Nigri, o foco a partir de agora serão os empreendimentos dentro da capital paulista e da região metropolitana, onde a Tecnisa já tem tradição e conhecimento do mercado. Os terrenos remanescentes em outras regiões do País, como Manaus, Curitiba e Fortaleza, não fazem parte dos planos e serão vendidos.

A incorporadora planeja construir empreendimentos residenciais de dois a quatro dormitórios, com valor geral de vendas estimado de R$ 60 milhões a R$ 140 milhões. Para projetos de maior porte, serão buscadas parcerias. “A Tecnisa voltará a ser o que era no passado em relação aos tipos de projetos”, apontou Nigri.

O executivo lembrou que metade dos recursos levantados com o aumento recente de capital será destinado para a compra de terrenos. Segundo ele, já há minutas de contratos prontas e propriedades em fase de prospecção. O banco de terrenos atual da Tecnisa já tem capacidade para suportar empreendimentos com VGV de R$ 3,9 bilhões, sendo que R$ 2,2 bilhões estão concentrados no terreno do Jardim das Perdizes, zona oeste de São Paulo.

Segundo Nigri, faltariam, portanto, cerca de cinco a seis terrenos para serem comprados, de modo a garantir um fluxo de lançamentos na ordem de R$ 1 bilhão por ano. “Para quem já chegou a tocar 38 projetos ao mesmo tempo no passado, esse não é um grande desafio para nós”, comparou.

A Tecnisa registrou um prejuízo líquido de R$ 144,140 milhões no segundo trimestre deste ano, uma perda 67,9% acima da reportada no mesmo período do ano passado, de R$ 85,826 milhões. Segundo a empresa, o baixo volume de lançamentos nos últimos anos comprometeu a receita da companhia, prejudicando a diluição de custos fixos, o que elevou o prejuízo líquido do segundo trimestre na comparação anual.

Adicionalmente, a Tecnisa reportou gastos extraordinários de R$ 44 milhões para provisão de perda com parceiro de negócio e de R$ 36 milhões para perda na realização de um terreno objeto de desapropriação pela Prefeitura do Município de São Paulo. (Circe Bonatelli e Rodrigo Petry)

Fique por dentro do Mercado Imobiliário! Receba conteúdos gratuitamente.

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.