Tegra volta a Bolsa

Tegra, ex-Brookfield, entra com pedido de IPO para voltar à Bolsa

São Paulo – A Tegra, antiga Brookfield Incorporações, encaminhou à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) um pedido de registro de oferta de ações (IPO, na sigla em inglês). Se confirmada, a operação vai marcar a sua volta à Bolsa após quase sete anos.

A canandense Brookfield, controladora da companhia, fechou o capital da incorporadora em meados de 2014 em meio a uma forte crise na economia brasileira somada a problemas internos, como distratos, atrasos de obras e estouros de custos, que abalaram os negócios na ocasião. Com isso, a Brookfield se manteve como única acionista, por meio do fundo BRKB RE OPP Fund LLC.

De lá para cá, a incorporadora foi totalmente repaginada. Os lançamentos foram temporariamente cessados, ela deixou o segmento do Minha Casa Minha Vida (em que as margens são mais apertadas) e se firmou nos mercados de médio e alto padrão, com foco em São Paulo, Rio e Campinas. Para o comando da empresa, foi escalado o experiente executivo Ubirajara Freitas (ex-Cyrela), mais conhecida como Bira.

Por fim, a mudança do nome do grupo para Tegra ocorreu em 2017 e foi necessária para espantar a imagem ruim deixada dos tempos de crise. Já a volta do balanço para o azul foi em 2019. A Tegra teve lucro líquido de R$ 86 milhões em 2020, ante R$ 48 milhões no ano anterior. A margem bruta se manteve em 31% nesse período.

A oferta de ações será primária (quando o dinheiro fica no caixa da empresa) e secundária (venda de participação do acionista). A operação está sendo coordenada pelos bancos Itaú BBA (líder), BTG Pactual, Bank of America, Bradesco BBI, Santander e ABC Brasil.

O IPO terá como objetivo dar suporte a uma aceleração do crescimento. Do total de recursos a serem captados na Bolsa, 83% serão destinados para a compra de terrenos para futuros empreendimentos e 17% vão para capital de giro.

O foco do crescimento são os Estados de São Paulo e Rio de Janeiro. A incorporadora tem um banco de terrenos com potencial para lançar empreendimentos avaliados em R$ 11,5 bilhões, dos quais 89% estão concentrados em São Paulo, 1% no Rio, e o restante fazem parte da Tamboré, empresa do grupo voltada ao setor de loteamentos.

Nos últimos anos, a Tegra lançou projetos com valor geral de vendas de R$ 1,9 bilhão em 2019, caindo para R$ 964 milhões em 2020 em razão da pandemia. Por outro lado, as vendas cresceram, surfando a onda dos juros baixos. Elas passaram de R$ 1,4 bilhão em 2019 para R$ 1,6 bilhão em 2020. Atualmente, há 26 canteiros em obras.

Fique por dentro do Mercado Imobiliário! Receba conteúdos gratuitamente.

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.