Tire todas suas dúvidas sobre como comprar um apartamento

Tire todas suas dúvidas sobre como comprar um apartamento

Você já deve saber como é vantajoso comprar um apartamento, seja ele novo, seja usado ou na planta, não é? Contudo, ao avaliar as tendências do mercado imobiliário, você notará diversos fatores que impactam os preços, além de questões burocráticas, que podem dificultar a negociação.

Diante disso, muitas vezes, a falta de experiência no assunto pode prejudicar bastante uma boa aquisição. Saber como comprar um apartamento ajuda a agilizar o processo e permite que se economize um bom dinheiro.

Ficou interessado? Para facilitar a sua vida e nortear seus passos na aquisição do imóvel, preparamos este miniguia com perguntas primordiais sobre como comprar um apartamento e o que observar para fazer um bom negócio. Boa leitura!

Qual é o momento ideal de se comprar um apartamento?

Será que existe um momento ideal para fazer investimentos ou comprar um apartamento? Além do desejo de ter um bem, a aquisição acontece, muitas vezes, conforme a situação em que o potencial comprador se encontra. Vejamos algumas circunstâncias!

Objetivo de vida

Ter uma casa própria pode ser o sonho de um grande número de pessoas, para sair da residência dos pais ou deixar de pagar aluguel. Se esse é o seu caso, um apartamento será uma excelente opção para iniciar uma vida nova.

Talvez o objetivo seja comercial, para investir o dinheiro em algo rentável, com retorno em médio e longo prazo — uma forma inteligente e visionária de utilizar um montante economizado.

Estabilidade financeira

Se você está em um bom momento profissional, com um salário razoável e sente que esse é um bom momento de investir, não hesite em comprar imóveis, como um apartamento. Quando se está estável financeiramente, é a hora de pensar no futuro e garantir um bom patrimônio.

São diversas oportunidades de investimento, mas sabemos que o mercado imobiliário, mesmo nos momentos de reveses, se mantém valorizado.

Responsabilidade

Dificilmente, uma pessoa fará a aquisição de um imóvel à vista. O compromisso é longo — cerca de 10, 20 e até 30 anos de parcelamento —, o que resulta em uma mudança de comportamento e melhor entendimento da responsabilidade sobre um acordo firmado.

A inadimplência gera cobranças de juros e multas, além de alteração no score de crédito. Assim, interfere na aprovação dos próximos financiamentos, caso você decida comprar novas unidades.

Comprar um apartamento é uma responsabilidade grande e você deve planejar as parcelas considerando a renda mensal e até mesmo os imprevistos. Sempre que possível, organize-se para adiantar as parcelas para quitar o financiamento mais rápido.

Quais são os critérios usados para avaliar o valor de um imóvel?

São vários os critérios que influenciam o preço de compra de um apartamento, sejam eles de cunho racional, sejam emocionais. Dependerá muito das expectativas e das motivações do comprador.

Inclusive, os valores podem apresentar informações diferentes, dependendo da corretora e da região em que o imóvel está localizado. Afinal, o custo de morar em marcos arquitetônicos de São Paulo, por exemplo, é diferente de habitar no interior.

A comparação com outros imóveis é absolutamente normal, até para chegar a um denominador comum e apontar um valor justo. É preciso, portanto, usar todos os detalhes possíveis como parâmetros de pesquisa, tais como:

  • existência de varanda;
  • número de quartos;
  • número de vagas na garagem;
  • segurança física e patrimonial;
  • oferta de opções de lazer (como academia, sala de jogos, playground), e assim por diante.

No geral, busque as melhores opções dentro das condições que você tem e dos seus objetivos de vida. Se você pretende constituir uma família, por exemplo, o número de quartos vai influenciar a compra.

Avalie, também, questões como a necessidade de um apartamento novo ou usado e a praticidade que existe na região em relação aos serviços básicos — do comércio à assistência médica.

Um apartamento pode ter um valor atrativo em uma boa localização, mas não contar com facilidades por perto. Esse é um ponto de observação e análise — se os custos com locomoção até o supermercado, por exemplo, forem altos, pode não ser tão vantajoso.

Por outro lado, uma região ainda inexplorada, que apresente potencial de crescimento comercial, pode valer o preço do apartamento — há uma grande chance de maior valorização em razão das melhorias nos arredores.

Quais documentos são necessários para comprar um apartamento?

É muito importante preocupar-se com a documentação necessária para comprar um apartamento. Afinal, ninguém deseja mudar e ter problemas futuros com a justiça ou o governo, não é mesmo?

O que é exigido para a compra costuma variar conforme a instituição financeira escolhida ou a forma de pagamento usada. De maneira geral, são pedidos:

  • documentos comuns de identificação — como RG e CPF;
  • Declaração do Imposto de Renda, se a pessoa não for isenta;
  • comprovante de renda dos últimos três meses;
  • comprovante do endereço atual.

Para os casais, vale ainda apresentar a certidão de casamento ou união estável, pois o apartamento é um bem e isso será levado em consideração em disputas judiciais em casos de divórcio.

Se, por ventura, o imóvel for usado, você também deve prestar atenção a outras documentações de extrema necessidade, tais como:

  • comprovante de quitação do IPTU;
  • registro do imóvel;
  • taxa de condomínio, entre outros.

Caso prefira a compra por meio de um financiamento, não se esqueça de apresentar a documentação exigida pela instituição financeira. Alguns documentos são comuns a todas as instituições, mas alguns específicos poderão ser solicitados durante a negociação.

É possível usar o FGTS para comprar um imóvel?

Muitas pessoas não sabem, mas o FGTS pode ser utilizado na compra de um imóvel, o que facilita muito a vida de quem busca adquirir bens que estejam cotados em até R$500 mil.

O Fundo de Garantia por Tempo de Serviço nada mais é que um direito adquirido pelos trabalhadores que atuam no regime de carteira assinada — mensalmente, a empresa deve se comprometer a depositar o equivalente a 8% do salário vigente.

O benefício comprova que suas funções empregatícias foram exercidas sob o regime de fundo de garantia, por, pelo menos, três anos corridos. Esse montante pode ser usado nas transações imobiliárias.

No entanto, para que o governo libere os valores do FGTS e você concretize o sonho de ter o apartamento que deseja, alguns requisitos precisam ser cumpridos. Entre eles, podemos mencionar não ter financiamentos anteriores nem outra propriedade em seu nome na mesma cidade.

Além de conferir quanto tem disponível para utilizar, é indispensável que você reúna as documentações e se prepare para a vistoria realizada pela Caixa Econômica Federal.

Quais são os custos envolvidos nessa compra?

Há certas despesas inerentes à compra de um apartamento, algo que você precisa colocar no papel para saber, exatamente, quais são suas reais condições de arcar com a transação.

Primeiramente, é preciso avaliar bem a região de interesse — às vezes, o barato pode sair caro demais se você resolver se mudar para um lugar cheio de problemas ou custos adicionais.

Também é interessante fazer um planejamento financeiro minucioso, organizando os valores para cada situação. Todas as despesas devem ser relacionadas para evitar surpresas, como o pagamento de uma taxa não prevista ou de serviços extras.

Em casos de financiamento ou seguro residencial, vale a pena já fazer suas economias para quitar com o que for se comprometer. Lembre-se, inclusive, dos pagamentos de condomínio e demais gastos com a manutenção do apartamento.

Quanto aos impostos, além do IPTU, você precisa se preocupar com o Imposto de Transmissão de Bens Imóveis (ITBI): um tributo municipal, cobrado de quem compra, cuja alíquota varia conforme a região.

Da mesma forma, separe o valor da taxa de corretagem da imobiliária e os demais gastos com documentações e registros.

Quais são os principais cuidados a se tomar?

Muito além de apenas escolher o bairro ideal para você morar, é preciso ficar bem atento para efetuar uma negociação de qualidade e, consequentemente, não “levar gato por lebre”.

É interessante pesquisar o histórico da construtora e visualizar as condições de empreendimentos mais antigos. Isso deve ser feito, até mesmo, para saber se você não precisará de reparos drásticos no decorrer do caminho.

Isso é especialmente importante no caso de comprar um apartamento na planta — o que, aliás, costuma ser uma excelente opção de aquisição. Verifique, também:

  • os prazos ideais para realizar o financiamento;
  • se a localidade é valorizada;
  • as opções de segurança para você e sua família;
  • a reputação dos seus futuros vizinhos — afinal, ninguém quer mudar para um lugar e ter dores de cabeça quanto à convivência.

Confira, ainda, se há barreiras em relação à escritura e se é possível remodelar o apartamento, até visando a uma futura venda do imóvel.

Quais fatores externos exigem atenção?

Pode ser que seu processo seja afetado por alguns aspectos externos e você tenha que tomar decisões de acordo com suas percepções, possibilidades e pesquisas.

Forma de pagamento

Para financiar um apartamento, diversas opções são oferecidas, pelo banco federal ou até mesmo o financiamento próprio de uma construtora. Existem plataformas online para realizar simulações, com parcelamento da entrada, uso do FGTS e valor aproximado da mensalidade.

Mercado imobiliário

Estude as oscilações do mercado imobiliário antes de fechar um negócio, observando a sazonalidade, a economia do momento e da localidade. Veja, também, as oportunidades de retorno e liquidez que a compra do imóvel renderá no futuro — prepare-se para uma recuperação lenta, se a sua intenção for de revenda.

Novo ou usado

A decisão de comprar um apartamento novo ou usado depende do quanto você estiver disposto a desembolsar e das condições de financiamento. Vale lembrar que um imóvel novo não oferece riscos quanto à manutenção e à necessidade de reformas, o que deve justificar a diferença de preço.

No centro ou nos arredores

Há quem goste de morar em regiões mais centrais, onde é possível ter acesso a diversos serviços, comércios e escolas, porém com uma movimentação maior.

Para quem gosta de sossego e silêncio, no entanto, os bairros mais afastados nos arredores costumam ser mais atraentes. Ainda mais se você tiver crianças e desejar um local mais seguro, sem se importar com a locomoção para levar e buscar na escola.

Quais são as possibilidades de compra?

Apartamento na planta

A compra de um imóvel na planta é ideal para quem não está com pressa de se mudar ou tem planos de investimento em médio e longo prazo. Isso, considerando que o valor de entrada é mais baixo que o de um imóvel já construído.

Se você está com o casamento marcado para uma data prolongada ou não pretende sair ainda da casa dos pais, pode esperar o andamento da obra e ter uma economia, que vai de 20% a 50%. Além disso, há a chance de o imóvel se valorizar nesse prazo.

Tenha apenas o cuidado de conhecer a construtora e seu histórico de entrega dos empreendimentos. Assim, evita a perda de dinheiro e transtornos para recuperar o investimento.

Acompanhe a obra, visitando o local durante o período de construção. Saiba sobre os prazos e se estão de acordo com a previsão de entrega estabelecida no ato da compra.

Primeiro apartamento

Toda primeira aquisição de um bem, com valor expressivo, causa um misto de medo e euforia. A sensação de poder investir e ver o resultado transformado em algo rentável vem junto à responsabilidade de cumprimento do que foi acordado no financiamento.

Os motivos não importam — sair da casa dos pais, casar, ter independência, investir —, pois o compromisso é o mesmo e você deve pensar bem antes de dar esse passo importante. Afinal, só valerá a pena quando você tiver em mãos o documento de quitação e posse total do seu imóvel.

Financiado

A maioria das pessoas que conseguem poupar um dinheiro e fazem investimento precisam financiar parte do bem para ter o direito de propriedade. Os valores são altos e, se você decidir comprar usando um financiamento, terá que recorrer aos bancos para tentar o crédito.

Como dissemos, você poderá usar o FGTS e cuidar para que a parcela da mensalidade não ultrapasse o equivalente a 30% da renda familiar. Essa é uma medida de segurança para não comprometer as outras despesas e causar o efeito bola de neve, que é quando as despesas se acumulam e geram um enorme problema financeiro.

Em resumo, como podemos ver, são vários os aspectos com que se preocupar ao comprar um apartamento. Afinal, esse é um passo muito importante na sua vida, certo? Avalie todas as situações que citamos e tenha atenção e calma para fechar negócio com pessoas idôneas, que não vão prejudicar ou frustrar os seus planos!

Gostou deste post? São infinitas as possibilidades de comprar um imóvel e se beneficiar de um investimento seguro, não é mesmo? Conheça, agora, as vantagens de comprar um apartamento recém-lançado!

Fique por dentro do Mercado Imobiliário! Receba conteúdos gratuitamente.

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

2 Comentários

  1. Srs.

    Boa TArde !!

    Preciso de uma orientação:
    Vendi um imovel, e com o mesmo valor comprei outro imóvel 40 dias após a venda, mas não tinha a informação de fazer o processo de informação a Receita no mês subsequente.
    Como devo proceder neste CAso

    Meu e-mail: cerqueir1@gmail.com

  2. Ola! Meu noivo comprou um imóvel pelo programa “minha casa, minha vida” e financiou pelo Banco Caixa. Iremos casar no ano que vem e gostaria de saber se haveria possibilidade de ele colocar o imóvel Também em meu nome (ou seja, de ficar no nome dos 2) quando casarmos! Obrigada!

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.