Vendas de imóveis crescem 49,5% no mês de julho em São Paulo

São Paulo, 11/09/2017 – O mercado imobiliário manteve a trajetória de recuperação em julho na cidade de São Paulo, com crescimento das vendas, de acordo com pesquisa do Sindicato da Habitação (Secovi-SP).

O levantamento mostra a comercialização de 1.238 apartamentos novos em julho, alta de 49,5% acima do mesmo período do ano passado. O valor geral das vendas (VGV) atingiu R$ 589,2 milhões, aumento de 29,3%, considerando valores atualizados pelo Índice Nacional de Custo da Construção (INCC-DI).

No acumulado do ano, foram comercializadas 9.126 unidades, um aumento de 13,8% em comparação ao mesmo período de 2016. Em valores, foram R$ 5,1 bilhões, alta de 16,7% na mesma base de comparação.

Por sua vez, os lançamentos de novos projetos recuaram em julho. Nesse mês, foram lançados empreendimentos que somam 1.089 apartamentos, volume 4,6% abaixo do mesmo mês do ano passado. Já no acumulado do ano, foram lançadas 7.636 unidades residenciais na capital paulista, resultado 7,9% superior ao mesmo período de 2016.

Com mais apartamentos vendidos do que lançados nos últimos meses, houve diminuição do estoque. No fim do julho, havia 20.591 residências à venda, redução de 2,1% em relação a junho deste ano (21.043 unidades) e de 16,4% em comparação a julho de 2016 (24.627 unidades). O estoque engloba unidades na planta, em obras e recém-construídas.

Na avaliação do presidente do Secovi-SP, Flavio Amary, o mercado imobiliário vem acompanhando outros indicadores macroeconômicos que apresentam gradativa recuperação, como a queda dos juros e da inflação, além da interrupção de alta do desemprego.

Vale lembrar também que o mercado imobiliário registrou, em 2016, o volume mais baixo de lançamentos e vendas da série história iniciada em 2004, fator que distorce a base de comparação.

“Para manter um crescimento sustentável do mercado e da economia, é indispensável que o governo procure reduzir os gastos, equilibrar as contas públicas e diminuir o tamanho do Estado. Além disso, também é fundamental que o Congresso Nacional aprove a reforma da Previdência”, cobrou Amary, em nota.

O economista-chefe da instituição, Celso Petrucci, observou também que as vendas de imóveis no segundo semestre são, tradicionalmente, 20% superiores às dos primeiros seis meses do ano, o que permite prever que o mercado reúne condições de encerrar 2017 com crescimento. “Este comportamento demonstra, mês a mês, sinais de que o setor começa a virar a página e a deixar 2016 para trás”, afirmou. No início do ano, o Secovi-SP divulgou a projeção de alta de 5% a 10% no mercado em 2017. (Circe Bonatellicirce.bonatelli@estadao.com)

Fonte: Broadcast

Fique por dentro do Mercado Imobiliário! Receba conteúdos gratuitamente.

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

3 Comentários

  1. As reportagens falam bastante de índices de lançamentos. E quanto ao mercado de terceiros(usados)?

    1. Olá, Ricardo

      Obrigado pelo seu feedback. É importante para nós sabermos a percepção dos nossos leitores.
      Tentaremos trazer matérias mais variadas e interessantes para todos que acompanham nosso blog.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.