Vendas de imóveis em 2019 vêm em ritmo melhor do que no fim de 2018, avalia Tecnisa

Vendas de imóveis em 2019 vêm em ritmo melhor do que no fim de 2018, avalia Tecnisa

São Paulo, 22/03/2019 – As vendas de imóveis no começo deste ano estão melhores do que no fim de 2018, quando o mercado já havia demonstrado recuperação, afirmou o diretor-presidente da Tecnisa, Joseph Nigri, durante teleconferência com investidores e analistas. “As vendas vêm em um ritmo bom, melhor do que no quarto trimestre, e os distratos estão diminuindo”, comentou há pouco, sinalizando expectativa de melhora das vendas líquidas.

Nigri disse que o sentimento da empresa com o mercado é de otimismo para o ano. Na sua avaliação, a definição da corrida eleitoral aumentou a confiança dos consumidores, contribuindo para aquecimento das vendas, enquanto a recomposição da caderneta de poupança tornou o financiamento mais acessível, com juros menores e estáveis. E, para as incorporadoras, a aprovação da lei do distrato deu mais segurança jurídica para novos projetos, disse.

 

Com a situação considerada mais favorável para os negócios, a Tecnisa prevê a retomada dos lançamentos neste ano. O último projeto iniciado pela companhia foi no fim de 2016.  “Quero reforçar o nosso clima de otimismo com o ano de 2019 e com a retomada dos lançamentos”, afirmou Nigri.

 

A previsão é de lançar três empreendimentos no ano, todos na cidade de São Paulo, com valor geral de vendas (VGV) total de R$ 292 milhões. Os empreendimentos serão realizados por meio de parceira com o fundo Olympus RE II FIP.  A Tecnisa ficará com 20% do VGV desses três projetos, contudo a participação no lucro poderá ser superior caso o resultado dos projetos ultrapasse determinadas metas previstas. Além disso, a incorporadora fará gestão dos empreendimentos, garantindo uma receita adicional pela prestação do serviço. O copresidente da companhia disse que os lançamentos podem não ficar limitados à essa parceria e que há outras negociações em andamento.

 

A Tecnisa registrou prejuízo líquido de R$ 64,187 milhões no quarto trimestre de 2018, perda 63,4% menor que a de R$ 175,209 milhões apurada no mesmo período de 2017. Em todo o ano passado, a construtora teve prejuízo de R$ 277,052 milhões. (Circe Bonatelli)

Fique por dentro do Mercado Imobiliário! Receba conteúdos gratuitamente.

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.